O lado escuro da lua

“Eu quase fiz o que eu queria
Eu quase tive algo que eu podia
De novo esse quase, esse sempre, esse nada
Comigo nessa longa e tortuosa estrada

Copo meio cheio, copo meio vazio
O corpo só esquenta quando o ar é frio
Não quero me lembrar que não faz sentido
Nem me arrepender de não ter vivido
A vida é longa, a vida é curta
Quando todos falam e ninguém me escuta
Cegos que não sabem para onde vão
Aqui está mais um nessa multidão

Eu tinha sede, me deram gasolina
Não peço nada, me dão menos ainda
Acho que não entendi direito
A perfeição do imperfeito
Eu me queixo
Eu me arrependo
Eu me revolto
Eu me rendo
Querendo o que não podia ter sido
Ser feito de aço e não de vidro

Correndo como um louco
Falta sempre muito pouco
Pra se perder a razão
De olhos fechados
No meio da sua rua
Sonhando acordado
No lado escuro da lua”

(Capital Inicial)

Tudo tomou seu lugar, depois que a banda passou…

“A minha gente sofrida
Despediu-se da dor
Pra ver a banda passar
Cantando coisas de amor

Mas para meu desencanto
O que era doce acabou
Tudo tomou seu lugar
Depois que a banda passou

E cada qual no seu canto
Em cada canto uma dor
Depois da banda passar
Cantando coisas de amor
Depois da banda passar
Cantando coisas de amor…”

(Trechos de “A Banda”, de Chico Buarque de Holanda)

De um amigo…

Postando um poema que um amigo meu fez pra mim, um tempinho atrás. Fiquei emocionada quando li… é lindo!

Muito obrigada, E. C.! 

 

Sopro de vida

 Desejo tua boca em mim como se afogado

Atiraria-me ao mar a cada dia por isso

Mesmo que por infelicidade soubesse nadar

Mas não preciso do mar, não temo a morte

Muito menos a vida, tenho você a cada dia

Tenho tua boca doce e macia em mim

Preenchendo meu imenso vazio sem ela

Aqueço-me nela, me alimento e vivo dela

E das suas mãos suaves e dedos delicados

Que me manipulam como a um marionete

Roubando lágrimas de alegria a quem me ouve

Mas bem sabes é tua voz que chega a eles

Não tenho sua alma, seu talento, sua beleza

Então por alguns momentos, como um milagre

Tenho tudo isso a vibrar e soar através de mim

 

De seu instrumento e quem mais te sentir.

Autor: E. C.

Será que…

“Será que é mentira
 Será que é comédia
 A vida da atriz?
 Se ela um dia despencar do céu?
 E se os pagantes exigirem bis?
 E se o arcanjo passar o chapéu…”

 

 

 

(E se ela só decora o seu papel…?)

 

Onde Anda Você?

E por falar em saudade, onde anda você?
Onde andam seus olhos que a gente não vê?
Onde anda esse corpo
Que me deixou louco de tanto prazer?

E por falar em beleza, onde anda a canção
Que se ouvia na noite dos bares de então?
Onde a gente ficava, onde a gente se amava
Em total solidão

Hoje eu saio na noite vazia
Numa boemia sem razão de ser
Na rotina dos bares, que apesar dos pesares,
Me trazem você

E por falar em paixão, em razão de viver,
Você bem que podia me aparecer
Nesses mesmos lugares, na noite, nos bares
Onde anda você?

(Vinicius de Moraes/Toquinho/Hermano Silva)

Faltando um beijo…

 
Como mostrar que te quero pra mim?
Como dizer tudo que eu preparei?
Como fingir se eu já me entreguei a você?
Quando me debrucei nos teus braços e descansei…
 
Como lembrar de você e não sorrir?
Como falar de você e não cantar?
Como saber se é certo sonhar com você?
Se eu devo seguir os seus passos e acreditar
No amor que escolheu a nossa casa pra morar
 
Ta faltando um beijo no final
Pra mostrar o quanto é natural
Gostar de alguém como você
Que insiste em dizer
Que só me quer bem
 
O que meu coração sente, mas não sabe falar…
 

Dia da Música

Hoje, 22 de novembro, é dia de Santa Cecília, padroeira dos músicos. Por isso, também se comemora o “dia da música”, ou o “dia do músico”.

Queria desejar a todos nós, que sobrevivemos, SIM, de música, mais valorização (em todos os sentidos). Porque todos nós temos que vivenciar com  frequência diálogos como esse aí de cima, encarando tudo com total bom humor. Ou não.