2013

Bem, aqui estou eu, novamente. Meio perdida, meio atrasada, meio sem saber o que estou fazendo aqui. É, nada mudou. Vim me lamentar aqui de novo, como era de costume tempos atrás. Lamentar não sei de que (tá, sei sim, mas acho que não consigo escrever mais como antes).

Só sei que nunca pensei que o bendito 13 me atazanaria tanto. Sim, só pode ser ele. Eu, que sempre gostei de ano ímpar (já que os anos pares a partir de 2008 não estavam sendo lá muito gentis comigo), em dezembro de 2012 almejava ansiosamente o novo ano. 2012 não foi um ano ruim, foi um ano de muitas ideias e eu precisava de 2013 para colocá-las em prática. Incrível como em dois meses o projeto para um ano inteiro fora jogado serra abaixo. Deve ter caído ali em Xerém, certamente foi levado pelas correntezas da enchente e a notícia só me chegou agora.

Difícil quando seus planos não dependem de você. Difícil quando você não é uma pessoa otimista e percebe que aquilo que queria está muito mais distante do que imaginava. Não posso dizer que é bola pra frente. Não posso dizer que é hora de replanejar. Não há possibilidades, não há direções a seguir, a única coisa que resta é ficar aqui. Observar, engolir… Tento digerir, mas tá tudo aqui dentro, intacto, tentando fazer sentido. E com o 13 nosso de cada dia, não sei se devo esperar dias melhores. Preciso ficar bem, primeiro, e reencontrar sentido e felicidade no que já fazia antes.

É, não tem nada novo. Tudo velho é o que tem pra hoje.

Anúncios
Esta entrada foi postada em Geral.

10 comentários em “2013

  1. otton cid disse:

    Welcome back! Em dois meses aquilo que vc esperava se desfez…espere mais dois meses e acaba acontecendo algo bom que vc não esperava. Muitas coisas importantes (realmente) que acontecem nas nossa vidas vem de forma inesperada. Apesar dos cuidados que tomamos e dos planos cuidadosos que fazemos, a incerteza é quem acaba dando a palavra final. A gente vai rolando cachoeira abaixo, tentando nos segurar em alguma coisa…até chegar em Xerém. O que pode ser legal pra caramba, quem sabe? Just relax and let it go. 🙂

    • Ebaaaaaa!!! Pensei que ninguém fosse ler o meu post, depois de tanto tempo que esse blog ficou parado! Muito obrigada por comentar, Otton Cid! Mas é isso, ô anozinho difícil, viu? Muito obrigada pelas palavras de conforto e o que me resta é esperar mesmo, pois tudo o que eu podia, já fiz! 😦

      Beijos pra você!

      • Otton Cid disse:

        Então…uma vez eu li que o caminho é mais importante do que o destino; parece que o que importa mesmo é este “processo” de ir vivendo e mudando, fluindo. É a transformação! Vai ver a gente é uma lagarta que está dentro de um casulo cósmico num debate existencial…até a ruptura final e a liberdade “borbolética”. Putz…No, I didn´t smoke any pot.

      • Hahaha… Concordo que talvez o processo seja mais importante que o destino final, mas o problema é quando tá tudo estacionado, pelo menos aparentemente! Estou tentando ver outros caminhos, talvez não esteja tudo parado, mas excessivamente lento.

      • otton cid disse:

        Vc é musicista né? Então…quem dá o ritmo é o maestro; tem som e silêncio…não dá pra todos os instrumentos tocarem ao mesmo tempo. Tem o momento de silenciar o seu instrumento pra contribuir para a harmonia da peça. Ficar parado, esperando o momento certo de entrar, de olho no maestro…muitas vezes, é tudo que podemos fazer. Vc tá tocando sem olhar a partitura? By the way, God is the conductor…always.

      • Hahaha… Que observação perfeita! Vou tentar pensar assim mesmo!

        Beijos!

  2. Wendy Freitas disse:

    Eu também li, Carol…rss
    Tava com saudades dos seus textos…
    Infelizmente esse não é um dos que falam de coisas, boas.. apesar de ter ficado entrelinhas o real motivo da sua chateação.
    Realmente quando algo que planejamos por tanto tempo não sai do jeito que imaginamos, bate um desânimo.
    Acredito que fingir que “tudo bem” não é mesmo a melhor opção. Deixe estar, observe, quietinha… uma hora.. tudo muda de novo.
    Frequento umas aulas sobre budismo e aprendo que tudo na vida tem dois lados. Nenhuma felicidade é infinita. Nenhuma tristeza também não.
    Basta continuar vivendo… a coisa vai mudar… 😉
    Beijões!!

    • Wendyyyyyy!! Que bom te ver por aqui!! Muito obrigada pelo apoio!
      Estou esperando, né? É o que me resta. Mas aí dá aquela sensação de que o tempo tá passando e que depois não vai mais dar tempo de nada! Enfim, é esperar pra ver.
      Beijo!!

  3. WILLIAM disse:

    E aí, Caroline? Como estão as coisas agora que chegamos a junho?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s